7/05/2016

ARTISTA ASSOCIADO | DINIS MACHADO | PRACTICING PARADIGM







27 julho | 19h30 e 21h30 | mala voadora.porto
Rua do Almada 283
4050-038 Porto
917 351 490

reservas@malavoadora.pt


PRACTICING PARADIGM é uma versão do solo PARADIGM onde Dinis Machado revisita a partitura deste trabalho retirando-lhe a cenografia, figurinos e objetos.

O solo original, PARADIGM, é um folklore ficcional futurista onde uma serie de danças e rituais acontecem em relação com uma cenografia e um figurino que alteram tanto a estrutura do corpo como do espaço, tornando-se parte estrutural da produção do movimento destas danças.

Em PRACTICING PARADIGM, Dinis revisita a partitura deste solo num espaço vazio e sem figurino. Esta versão desenvolve-se assim em diálogo com a resolução coreográfica destas ausências estruturais e da forma como estas se sedimentam no movimento: retirado o objeto que modifica a estrutura do corpo, o movimento é depois olhado enquanto movimento abstracto no espaço, e reativado não através da mímica da situação ausente mas através de uma re-atualização e re-ancoragem deste movimento abstratizado nas circunstancias concretas do espaço especifico em que esta revisitação está a acontecer.

PARADIGM é um projecto de Dinis Machado
com musica original de Hanna Kangassalo (SE/FI), Robert Tenevall (SE), Erik Sjölin (SE)
com vozes adicionais de Lillemor Tenevall (SE), Kai Kangassalo (FI/SE), Gonçalo Ferreira (PT), Britta Amft (SE), Dinis Machado (SE/PT)
com pós produção de Henrik Wiklund (SE)
e com assistência dramatúrgica de Pedro Machado (BR/UK), Gonçalo Ferreira (PT), e Jorge Gonçalves (DE/PT)

Produzido por BARCO (SE) e Ballet Contemporâneo do Norte (PT), com a produtora associada para Inglaterra Claire Hicks (UK) e administração na Suécia por Interim Kultur (SE) // Com a co-produção de Weld (Stockholm/SE), Teatro Municipal do Porto (Porto/PT), Dance4 (Nottingham / UK) e Gothenburg Dans & Teater Festival (Gothenburg/SE) // Criado em residênciaem Weld(Stockholm/SE), MARC (Kivik/SE), Campo Alegre Teatro Municipal (Porto/PT), Alkantara (Lisboa/PT),  Gothenburg Dans & Teater Festival + Vitlycke Centre for Performing Art (Gothenburg/SE), Devir/Capa (Faro/PT), Dance4 + Lace Market Gallery (Nottingham/UK)// Com o financiamento de  Konstnärsnämnden (SE), Kulturrådet (SE), Arts Council England (UK) e DGArtes/Secretaria de Estado da Cultura (PT) // Dinis Machado é um artista associado de Ballet Contemporâneo do Norte (PT) e Weld (SE)

Dinis Machado vive e trabalha entre Estocolmo e o Porto, onde nasceu. Foi um dos nomeados para o prémio Jardin D’ Europe no ImpulzTanz Viena 2014. Tem o MA em Coreografia a pela DOCH em Estocolmo, dirigido por Jefta Van Dinther e Frederic Gies, e estudou também Artes visuais na Maumaus, teatro na ESTC e ACE assim como Ballet e dança contemporânea no Balleteatro. Desde 2007 apresentou o seu trabalho na Áustria, Croácia, Uruguay, França, Suécia, Alemanha, Inglaterra e Portugal. Participou em contextos de pesquisa como AWaRE (Alkantara 2014) mediado por Sofia Dias e Vitor Roriz, Encontros Rumo mediados por Vera Mantero e Miguel Pereira, e Mugatxoan (Serralves/Arteleku) dirigido por Blanca Calvo e Ion Monduate. Do seu percurso como performer salienta as colaborações com DD Dorvillier, Mikael Klien, Miguel Pereira, Trisha Brown Dance Company, Rogério Nuno Costa, Miguel Loureiro, O Cão Solteiro, e Isabel Barros.

ARTISTA ASSOCIADO | ROGÉRIO NUNO COSTA | TERCEIRA VIA





12 de julho | 21h | MOSTEIRO SÃO BENTO DA VITÓRIA | Sala do Tribunal
Rua de São Bento da Vitória
4050-543 Porto
800 10 86 75

bilheteira@tnsj.pt

TERCEIRA VIA™ inicia o Ano Um (biénio 2014/15) do macro-projecto Universidade/Yliopisto, uma plataforma meta-educacional que acontece entre dois extremos da €uropa: Portugal e Finlândia. A performance constrói-se a partir de uma síntese textual em jeito de programa de acção partidária, aglomerando todos os empreendimentos performativos que Rogério Nuno Costa tem vindo a escrever e a apresentar desde 2008, projectos onde a investigação meta-teatral, a contaminação por discursos oriundos da Ciência, da Tecnologia, da Cultura Pop e da Filosofia, e a autonomização/emancipação da dramaturgia em detrimento do objecto-espectáculo se verificam cada vez mais: Espectáculo de Teatro (2008), MASHUP (2009), Selecção Nacional(2010), Residência (Artística) (2012), Realpolitik (2012) e EURODANCE (2014). Para tal, ficcionaliza-se um partido político, um guru espiritual e uma ideia mais ou menos espectacular de comício, para se falar de uma terra prometida: geograficamente localizada no Norte “civilizado”, ela é o escape e a salvação pós-apocalíptica para o Fim das Grandes Narrativas Históricas. Ao mesmo tempo, ensaiam-se teorizações metafísicas disruptivas e fracturantes sobre o devir do Humano, numa atitude demissionária e distópica em relação à Europa em que vivemos, com base numa equação peripatética (1+1=3) e numa alegoria pós-apocalíptica onde a Neutralidade é assumida como conceito operativo ao mesmo tempo ético e estético, ou ético porque estético, ou est(ético). Numa perspectiva mais lírica, TERCEIRA VIA reconciliante; trata-se, de facto, da instauração de uma nova ordem que é terciária. "Fazer parte" de um País, de uma cultura, de uma língua, de um povo, é também, e por isso, um acto de tradução, e é esse gesto de permanente codificação/descodificação, legendagem, catalogação e revelação/descrição de sentidos que se baseia a base deste texto-performance. Como se a fuga possível para o cansaço pós-moderno desta Europa em processo eruptivo/implosivo fosse a criação de uma Novilíngua.talvez, mas também não cai nessa atitude consoladora de impor um não e sim™ corresponde à tentativa de transformar esteticamente o fascínio por um País (“Fim-Lândia” aqui transformada em abstracção conceptual) num programa filosófico e espiritual, suprimindo o Real histórico em favor de uma elasticidade espácio-temporal que derruba todas as duplicidades: o Mundo não se divide em sim e não, mas também não cai nessa atitude consoladora de impor um talvez reconciliante; trata-se, de facto, da instauração de uma nova ordem que é terciária. "Fazer parte" de um País, de uma cultura, de uma língua, de um povo, é também, e por isso, um acto de tradução, e é esse gesto de permanente codificação/descodificação, legendagem, catalogação e revelação/descrição de sentidos que se baseia a base deste texto-performance. Como se a fuga possível para o cansaço pós-moderno desta Europa em processo eruptivo/implosivo fosse a criação de uma Novilíngua.

Concepção, Texto, Interpretação — Rogério Nuno Costa
Light Design — Diogo Mendes
Colaboração — Cátia Pinheiro
Voz Off — Ágata Pinho
Webstreaming — Daniel Pinheiro
Artwork/Vídeo Promocional — Diogo Mendes
Styling — Jordann Santos
Morphing — António MV
Participação Especial — Kirsi Poutanen
Tradução — Mika Christian Tissari
Apoio à Elocução — Sade Risku
Fotografia de Cena — Daniela Silva, Pedro Costa & André Miguel
Apoio à Produção — Ballet Contemporâneo do Norte (Artista Associado)
Apoio a residências — Núcleo de Experimentação Coreográfica + Mala Voadora (Porto), HIAP + Galleria Nunes (Helsínquia), EIRA (Lisboa)
Co-produção — Circular Associação Cultural, Curtas Metragens CRL, Solar Galeria de Arte Cinemática, com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian
Acolhimentos: Clube Ferroviário/SillySeason, Galeria ZDB/Rabbit Hole, Teatro Académico Gil Vicente/Colectivo 84 (Festival END), Mala Voadora (Porto), Centro para os Estudos da Arte e Arquitectura (Guimarães), ZonaD dancelabs/Gabriela Tudor Foundation (Bucareste), Rua das Gaivotas6/Teatro Praga (Lisboa), Teatro Construção (Joane), Armazém 22 (Vila Nova de Gaia), Teatro Sá da Bandeira (Santarém), Cine-Teatro de Fafe

Agradecimentos: Susana Otero, Inês Nogueira, Mickaël Oliveira, Mika Palo, Jaakko Kiljunen, Eva Malainho, Toni Ledentsa, Diana Bastos Niepce, Klaus Ittonen, Cristiana Rocha, Ulla Janatuinen, Paulo Vasques, José Nunes, Pedro Penim, Balleteatro, João Nemo, Ricardo Bastos Areias, Renato Freitas, Daniela Silva

Performance falada em Português, Finlandês e Novilíngua. Criada originalmente para o programa 
“Cuidados Intensivos”, com curadoria de Joclécio Azevedo, para o Circular – Festival de Artes 
Performativas de Vila do Conde (2013).
Rogério Nuno Costa é artista, investigador, professor, curador e escritor em vários projetos coolturais e pós-artísticos, formalmente americanos, conceptualmente europeus, religiosamente Kopimistas, filosoficamente Piratas e literariamente re-re-realistas (ou realistas gagos). Com formação académica na área da Comunicação, considera-se um observador (participante) com uma curiosidade mórbida pela arte que se parece mesmo com Arte, só devolvendo o resultado das suas investigações porque é o que manda o Código Deontológico dos Jornalistas. Na persona do Chef Rø, tem elaborado inúmeros cruzamentos da Cozinha Conceptual™ com as artes performativas e os novos media, pretendendo com isso que a Arte se eleve à categoria de Gastronomia (o contrário já foi feito). Não é ator; considera que todos os trabalhos de teatro/performance que realizou em colaboração com diversos artistas e companhias foram trabalhos de consultoria. Prepara para 2016 a construção (from scratch) de uma “Universidade” e o lançamento (no espaço e no tempo) do musical techno “€TRASH”.

Google+ Followers