10/02/2015

E U R O D A N C E | ROGÉRIO NUNO COSTA



E U R O D A N C E é o estudo coreográfico para um espetáculo de teatro musical chamado €TRASH. Cinco bailarinos são o grupo de “backup dancers” de uma banda techno invisível, trazendo para a linha da frente aquilo que por norma é apenas decorativo, paisagístico, subsidiário. O corpo de baile é agora o protagonista. Ou sobre a tensão/confusão dialética entre Arte e Desporto.



24 OUTUBRO 2016
21H30 mala voadora.porto

25 de OUTUBRO 2016
18h e 21h30 mala voadora.porto


“Europe was created by History (then Art). America was created by Philosophy (then Art). Economy (now Art) is creating the Rest of the World.”
— in No Limit [21st Century], a song by Too LimitedTM

E U R O D A N C E é uma hecatombe geopolítica e tecno-emocional, um counting down a 190 beats-per- minute em direção ao Fim do Mundo, uma bad trip a bordo de um rave’ião Hamburgo/Ibiza com escala elíptica no Pará e aterragem de emergência para combustível em Luanda, uma droga psicotrópica também conhecida por AzeitegeistTM. E U R O D A N C E é um documentário pós-apocalíptico produzido pelo Departamento de Escatologia Vintage do Centro de Estudos Pré-Humanos do Novo Mundo e estuda a última década do Antigo Regime, quando o Mundo ainda se escrevia com letra grande, não existia qualquer diferença epistemológica entre Arte e Desporto, e os artistas eram todos backup dancers de uma banda cósmica universal. EURODANCE dança em EuropeuTM, mas traz legendas em NovilínguaTM. Rouba lyrics às profecias xamânicas de Slavoj Žižek e à filosofia alter-dogmática de Dr. Phil, os primeiros cyborgs da História; rouba beats à ética pré-apocalíptica do movimento mashup e à moral anti-social do tecnobrega; e rouba artworks à estética proto-post-pop dos Jogos sem Fronteiras e à ética re-re-realista da cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim. E U R O D A N C E é tecnotrónico, é clubístico, é pastilhado, é megalo-colonialista, é etno-musical, é bubblegum pop, é happy hardcore, é chipmunk, é autotune, é playback, é rave’ioli em lata, é vengaboys, é bota gel, é pisang ambon, é electropimba, é technochunga, é carrinhos de choque-em-cadeia, é aeróbica trance- génica, é fitness progressivo, é body pump-up the jam, é macarena, é di-rirá-rá-rá, é contemporary rococó. EURODANCE regressa a todos os pesadelos fin-de-siècle, porque ambiciona uma correção retroativa da Realidade: o Mundo acabou MESMO na noite de 31 de Dezembro de 1999, quando os computadores deixaram de reconhecer a linguagem binária e o mundo (em letra pequena) colapsou. EURODANCE é por isso uma festa meteórica, em homenagem a todos os que (ainda) não morreram. Uma viagem de volta aos anos 90; uma viagem de volta ao PresenteTM.

Rogério Nuno Costa © 2014

Direção, Coreografia, Texto: Rogério Nuno Costa

Bailarinos: Dinis Machado, Flávio Leihan, Luiz Antunes, Mariana Tengner Barros, Susana Otero
Assistência de Direção: Joclécio Azevedo
Desenho de Luz: Diogo Mendes
Figurinos: Jordann Santos 
Vídeo: António MV
Fotografia de Cena: Xana Novais 
Cartaz: Diogo Mendes
Assistência de Figurinos: Cristiana Fonseca 
Som: Jonny Kadaver 
Produção: Manuel Poças 
Produção Executiva: Inês Nogueira 
Agradecimentos: Teatro Municipal do Porto – Rivoli, Sonoscopia, Álvaro Campo, mala voadora, A22, Miguel Loff Barreto, ESMAE, TeCA 

Ballet Contemporâneo do Norte é uma estrutura financiada pelo Governo de Portugal/Secretaria de Estado da Cultura (Direção-Geral das Artes) e apoiada pela Câmara Municipal de Santa Maria da Feira.


Um espetáculo Ballet Contemporâneo do Norte originalmente criado para o programa “Outros Formatos” (2014). Elenco inicial: André Mendes, Bruno Senune, Camila Neves, Flávio Rodrigues, Susana Otero. 

10/01/2015

REPERTÓRIO PARA CADEIRAS FIGURANTES E FIGURINOS | MIGUEL PEREIRA PARA O BCN



Uma natureza efémera como a do espectáculo ao vivo coloca-nos sempre perante a sua frágil materialidade, ficando-nos na maior parte dos casos a memória e os relatos (e algumas fotos ou registos filmados é certo) como possibilidade de reconstituição histórica. Mas o que acontece naquele momento entre o espectador e o espectáculo é aquilo que faz sem dúvida a sua força e a sua existência.
Na coincidência entre o convite que o Ballet Contemporâneo do Norte (BCN) me fez para criar uma peça para a companhia e o assinalar dos seus 20 anos de existência pareceu-me oportuno ter um pensamento retrospectivo, como se olhando o passado pudessemos suspender por momentos um presente incerto, possibilitando assim uma acção futura.
Repertório para Cadeiras Figurantes e Figurinos é uma tentativa de recriação e composição a partir de várias obras do repertório do BCN, do meu próprio trabalho e de alguns autores que marcaram a história da dança em geral, tendo por eixo 3 elementos temáticos: cadeiras, figurantes e figurinos.
 Miguel Pereira

CONCEPÇÃO, DIRECÇÃO ARTÍSTICA E ESPAÇO CÉNICO: Miguel Pereira
INTERPRETAÇÃO: Joclécio Azevedo e Susana Otero COM
Tiago Abelho, Joaquim Maia, Carla Elisabete, Diana Lapa, Andreia Alpuim, Isabel Andrade Silva, Catarina Teixeira, João Oliveira, Águeda Correia, Margarida Costa, Rogério Pacheco, Alexandra Gondin, Ana “Cacau” Silva, Vasco Otero, Katycilanne Reis, Silvana Pinto, Rita Marques e Armanda Queiróz
DESENHO DE SOM E OPERAÇÃO: Pedro Augusto
DIRECÇÃO DE CENA E ASSISTENTE DE ENSAIOS: Inês Nogueira
DESENHO DE LUZ: Carin Geada
OPERAÇÃO DE LUZ: Ricardo Leão
FIGURINOS: Miguel Pereira com a colaboração de Jordann Santos (a partir de figurinos originais do BCN)
TEASER E VÍDEO: Leonel Meneses
FOTOGRAFIA: Xana Novais
DOCUMENTAÇÃO: Rogério Nuno Costa
IMAGEM: Eduardo Ferreira
PRODUÇÃO: Manuel Poças
PRODUÇÃO EXECUTIVA: BCN
CO-PRODUÇÃO: Rivoli – Teatro Municipal do Porto
RESIDÊNCIAS: Rivoli – Teatro Municipal do Porto, A22-Armazém 22
APOIO À DIVULGAÇÃO: O Rumo do Fumo
AGRADECIMENTOS: Tup - Teatro Universitário do Porto, Cristina Grande, Magda Henriques, Luísa Veloso, João Matos, Jordann Santos, Elisa Worm, O Rumo do Fumo, Luís Carolino e Erva Daninha

Dedicamos “Repertório para Cadeiras Figurantes e Figurinos” a Joana Botelho e Manuel Poças.

A ARTE E O TEMPO | WORKSHOP


Estamos a organizar um ciclo de atividades em torno da arte pensado e orientado por Dinis Machado, Magda Henriques e Luísa Veloso.
1 de Outubro // 19h00 // Ensaio aberto de "Paradigma" de Dinis Machado // 
conversa entre Dinis Machado e Luísa Veloso // Campo Alegre. Teatro Municipal
3 de Outubro // 14h00 às 17h00 // 4 de Outubro // 14h30 às 16h00 // 
workshop com Magda Henriques // O QUE PODE A ARTE? // Casa das Artes, Porto
4 de Outubro // 16h30 // Filme com a presença do realizador // 
THE REHEARSAL, de James Newitt // Casa das Artes, Porto // 3 EUR





Google+ Followers